Cidades produzem até 10 bilhões de toneladas de lixo por ano

11 de Setembro de 2015

Cidades produzem até 10 bilhões de toneladas de lixo por ano

As zonas urbanas produzem, por ano, entre sete e 10 bilhões de toneladas de lixo, segundo um levantamento do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma.
Além disso, 3 bilhões de habitantes do planeta não têm acesso a locais apropriados para descartar esse material. O Pnuma afirma que a situação já é um problema econômico, ambiental e de saúde pública. O estudo foi feito em parceria com a Associação Internacional dos Resíduos Sólidos.

Custos
O crescimento da população, a urbanização e o aumento do consumo estão por trás de tanto desperdício. A agência da ONU prevê que até 2030 o volume de resíduos desperdiçados poderá dobrar em cidades da África e da Ásia.
O diretor-executivo do Pnuma falou sobre a urgência de uma resposta a esse "problema mundial", porque a falta de ação está custando aos países de cinco a 10 vezes mais do que custariam os investimentos adequados no manejo do lixo.
Achim Steiner lembrou que as nações precisam aplicar o princípio dos "3 Rs": "reduzir, reutilizar e reciclar". Uma mudança de atitude pode gerar "reduções drásticas na emissão de gases, criar milhões de empregos e gerar benefícios econômicos de bilhões de dólares", afirmou o chefe do Pnuma.

Mudança de Padrão
O relatório oferece exemplos de soluções, como melhorias nos sistemas de busca e descarte de lixo; ações de prevenção do desperdício; e aumentar a reutilização e a reciclagem de produtos.
O Pnuma também defende uma mudança no padrão de consumo, atualmente baseado no "pegue, faça, use, descarte", para o princípio do "reduza, reutilize, recicle".


Poeira do Saara viaja até a Amazônia, mostra NASA Poeira do Saara viaja até a Amazônia, mostra NASA

Terca-Feira, 24 de Março de 2015

Dia Mundial da Vida Selvagem alerta sobre crime organizado Dia Mundial da Vida Selvagem alerta sobre crime organizado

Terca-Feira, 03 de Março de 2015

Desenvolvido por
Ubis Ideias Digitais logo
Ideias digitais