notícias

Veto parcial que estende a moratória do fracking também à pesquisa passa na CCJ

Veto parcial que estende a moratória do fracking também à pesquisa passa na CCJ

Quarta-Feira, 08 de Fevereiro de 2017

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) realizou a primeira reunião ordinária deste ano na tarde desta terça-feira (7) na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Um dos quatro vetos constantes da pauta visa na verdade reforçar uma lei já sancionada pelo governador Beto Richa e publicada no Diário Oficial do Estado em 23 de dezembro do ano passado. A iniciativa – projeto de lei nº 873/2015 – é dos deputados Schiavinato (PP), Rasca Rodrigues (PV), Fernando Scanavaca (PDT), Marcio Nunes (PSD), Marcio Pacheco (PPL), Guto Silva (PSD) e Cristina Silvestri (PPS), e estabelece uma moratória de dez anos para licenciamento de exploração de gás de xisto no Paraná pelo método fracking – o fraturamento hidráulico.

O veto parcial do Poder Executivo, discutido na CCJ com a relatoria de Pedro Lupion (DEM), se refere a uma posição já externada pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (SEAB) de que o método é prejudicial às águas e ao solo e que por isso, segundo justificativa do órgão, “não se recomenda concordar com a pesquisa sobre uma atividade que, sabidamente, é portadora de alto potencial de poluição de nosso ar, nosso solo e nossa água podendo futuramente colocar em risco o sucesso da atividade agropecuária, a mais importante para a economia do estado e para a saúde do seu povo”.

De acordo com o presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente da Alep, deputado Rasca Rodrigues (PV), o veto oferecido pelo Executivo torna ainda mais sólida a posição do Paraná contrária à modalidade, com uma garantia de que a fiscalização sobre a atividade será rigorosa. “Eu acho muito positivo porque demonstra claramente que o Governo do Estado tem uma posição contra o fracking. O veto impede também a pesquisa”, afirma. “A gente comemora o fato de o governador ter atendido aos apelos de Organizações Não Governamentais (ONG) em relação ao tema e espera que a lei seja integralmente cumprida”, explica o deputado. De acordo com ele, com o impedimento recomendado pelo Governo do Estado às pesquisas, durante o período de moratória, quaisquer testes de empresas ligadas à atividade serão consideradas ilegais e sujeitas a penalidades.

José Carlos Schiavinato (PP) também comemorou a sanção do projeto que institui a moratória no Paraná. “Trabalhamos muito, por mais de um ano, em cima desta questão. Pela próxima década não se fala mais na possibilidade de explorar o gás de xisto pelo método no Paraná. O objetivo é dar segurança ambiental e jogar esta discussão para o futuro, se é que vai acontecer no estado daqui a dez anos. No momento nós não queremos a alteração da nossa economia que é baseada no agronegócio”, explicou.

Fonte: Assessoria de Imprensa ALEP

VEJA TAMBÉM

Deputado quer que instituições ofereçam colação de grau gratuita a todos os formandos
Projeto que amplia possibilidades de ascensão de praças da Polícia Militar segue para sanção
Rasca recebe homenagem do “Movimento Duplicação Já” pelo trabalho na conquista da duplicação da Leopoldo Jacomel
Comissões de Ecologia e de Finanças aprovam incentivos à geração de energia limpa
Desenvolvido por
Ubis Ideias Digitais logo
Ideias digitais