notícias

População e especialistas se posicionam sobre possível redução do Parque Lago Azul, em Campo Mourão

População e especialistas se posicionam sobre possível redução do Parque Lago Azul, em Campo Mourão

Segunda-Feira, 13 de Agosto de 2018

No último sábado (11), a população de Campo Mourão e região, pela primeira vez, pode se posicionar oficialmente sobre o projeto de lei 177/2018, que pretende reduzir 70% do Parque Estadual Lago Azul (PELA), em tramitação na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP), de autoria do deputado Márcio Nunes (PSD). A audiência pública foi realizada pela Comissão de Ecologia, Meio Ambiente e Proteção aos Animais da ALEP, presidida pelo deputado estadual Rasca Rodrigues (Podemos).

O anfiteatro da Unespar, onde a audiência foi realizada, teve lotação máxima e a maioria dos presentes eram contrários a proposta. Havia também pessoas que defendiam a redução. Professores, estudantes, representantes dos órgãos ambientais e do Ministério Público Estadual também se posicionaram.


“Nosso objetivo foi cumprido, que era estabelecer um diálogo aberto e com participação popular para sabermos o que todos pensam. Estas contribuições e posições serão levadas em consideração em nosso relatório da Comissão, por onde o projeto vai passar e certamente interferirá no seu avanço ou não na Assembleia”, explicou Rasca Rodrigues.


O primeiro a falar na audiência foi o autor do projeto, Márcio Nunes, que defendeu a redução com o argumento da geração de empregos e do desenvolvimento do turismo na região. Nunes fez um apanhado do histórico do seu trabalho em prol do meio ambiente, deu exemplos de outros parques que foram reduzidos e que, segundo ele, trouxeram desenvolvimento nas regiões.


“Esta ideia não saiu só da minha cabeça. Não vou radicalizar, estou aqui para discutir metodologia e não ideologia. Quero deixar claro que não sou contra o meio ambiente e vou fazer uma lei que o povo de Campo Mourão quiser. Sei que não vou agradar todos, mas vou tentar agradar a maioria”, afirmou Márcio Nunes.


Após a fala de Nunes, a promotora de Justiça de Campo Mourão, Drª Rosana Araújo de Sá Ribeiro; o promotor de Justiça, Drº Robertson Fonseca de Azevedo e a engenheira florestal do IAP e chefe do departamento de unidades de conservação, Maria do Rocio Lacerda Rocha, se manifestaram contra o projeto.


Drª Rosana questionou a legalidade da proposta, que no entendimento dela, pode ser inconstitucional já que há interferência de questões federais na área reduzida. Já o Drº Robertson alegou que o objetivo da proposta é retirar o nível de proteção legal sobre as áreas.


“Há uma verdadeira guerra contra as Unidades de Conservação no país em curso. A gente precisa saber que um parque, uma unidade, não é proibitivo em si. É possível ter uso, com alguns critérios ambientais”, disse Maria do Rocio.

Projeto
O projeto de lei 177/2018 está no início do trâmite na ALEP, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Na prática, a proposta retira quase 70% da áreas atual do Parque Lago Azul (Campo Mourão e Luiziania), criado em 1997. Hoje, o PELA tem 1.749 hectares, e passaria a ter, caso o projeto avance, apenas cerca de 560 hectares. A área que fica no município de Luiziania, por exemplo, seria completamente retirada do Parque e 39% das áreas de Campo Mourão.

 

VEJA TAMBÉM

Projeto que proíbe a retirada de penas de aves vivas é aprovado na ALEP
Estudo com diretrizes para o uso sustentável da APA da Escarpa Devoniana é apresentado na Assembleia
  Comitê reconhece o trabalho da Assembleia no arquivamento do projeto da APA da Escarpa Devoniana
Dia da Luta contra Discriminação Racial passa na Comissão de Direitos Humanos
Desenvolvido por
Ubis Ideias Digitais logo
Ideias digitais