notícias

Palmeira é o primeiro município a se declarar contra a redução da Escarpa Devoniana

Palmeira é o primeiro município a se declarar contra a redução da Escarpa Devoniana

Sexta-Feira, 25 de Agosto de 2017

A população de Palmeira lotou, na noite desta quinta-feira (24), a Secretaria de Educação do município para dizer não à redução da Área de Proteção Ambiental (APA) da Escarpa Devoniana. Este foi o resultado da audiência pública, organizada pela Prefeitura de Palmeira, com o objetivo de oficializar uma posição definitiva do município acerca do projeto de lei 527/2016, que tramita na Assembleia Legislativa do Paraná, pretendendo reduzir em 70% os limites da APA.

Cerca de 100 pessoas participaram das discussões – estudantes, produtores rurais, vereadores, gestores municipais, cientistas e população em geral – além dos deputados estaduais Rasca Rodrigues (PV) e Péricles de Mello (PT), que são contrários ao projeto.

“A posição de Palmeira, pelo regimento da audiência, podia ser por maioria simples, mas houve uma posição quase unânime contra o projeto. Vamos publicar a decisão em diário oficial na próxima segunda-feira (28)”, explicou o secretário de Cultura e Turismo, Waldir Joanassi Filho.

Um dos primeiros a falar na audiência, Rasca Rodrigues destacou a importância da APA da Escarpa Devoniana para a produção agrícola da região. “Muitos dizem que em uma APA não se pode fazer nada. Isto é uma mentira. Só é APA porque se permite o uso. Claro que um uso responsável, uma produção sustentável. Isto deve ser visto pelos produtores como algo positivo, pois o seu produto, dentro de uma APA, tem um selo de qualidade, um diferencial no mercado”, afirmou.

Entre vários encaminhamentos feitos pela população, chamou a atenção o posicionamento dos agricultores presentes. Diogo Camargo, engenheiro agrônomo e produtor da região, defendeu a proteção da APA. “Minha propriedade está dentro de uma APA municipal, 70% dela é APA e eu luto para que se aumente. Não queremos a modificação da Escarpa Devoniana também”, disse.

Já o professor doutor Gilson Burigo, da Universidade Estadual de Ponta Grossa, definiu a proposta de redução como antidemocrática e inconstitucional. “O projeto, além de apresentar erros cartográficos graves, não envolveu o Conselho Gestor da APA, muito menos a sociedade foi ouvida. Estão querendo transformar os Campos Gerais em um canteiro de pinus e eucalipto”, salientou.

Tanto o resultado da audiência pública quanto uma moção de repúdio, aprovada por unanimidade, serão encaminhados à Assembleia Legislativa e às comissões temáticas por onde o projeto passará.  “A opinião da população é muito importante e deve ser considerada plenamente”, afirmou o secretário de Meio Ambiente de Palmeira, José Przybysewski, responsável pela organização em conjunto com a Secretaria de Agricultura.

 

VEJA TAMBÉM

Projeto que proíbe a retirada de penas de aves vivas é aprovado na ALEP
Estudo com diretrizes para o uso sustentável da APA da Escarpa Devoniana é apresentado na Assembleia
  Comitê reconhece o trabalho da Assembleia no arquivamento do projeto da APA da Escarpa Devoniana
Dia da Luta contra Discriminação Racial passa na Comissão de Direitos Humanos
Desenvolvido por
Ubis Ideias Digitais logo
Ideias digitais