notícias

Entidades entregam novo parecer contra a redução da Escarpa Devoniana ao presidente da ALEP

Entidades entregam novo parecer contra a redução da Escarpa Devoniana ao presidente da ALEP

Terca-Feira, 28 de Novembro de 2017

O Comitê Pró-APA da Escarpa Devoniana e representantes de diversas entidades da sociedade civil organizada entregaram, na manhã desta terça-feira (28), ao presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSDB), um novo parecer técnico contra o projeto de lei 527/2016, que pretende diminuir em 70% os limites da Área de Proteção Ambiental da Escarpa Devoniana, na região dos Campos Gerais. A reunião foi intermediada pelo presidente da Comissão de Ecologia, Meio Ambiente e Proteção aos Animais (CEMA), deputado Rasca Rodrigues (PV), que é o relator do projeto e contrário à proposta em tramitação na casa.

Na conversa, que durou em torno de meia hora, o movimento apresentou os pontos principais do documento com mais de 60 páginas – que traz contribuições de diversos especialistas, reconhecidos nacional e internacionalmente, nas áreas de recursos hídricos, geologia, biodiversidade e legislação ambiental – fruto de um workshop para debater o tema no final de outubro. Além do parecer multidisciplinar, o Comitê também entregou dezenas de moções de repúdios de entidades que já se posicionaram oficialmente contra a redução da APA.

Traiano, que também é coautor do projeto ao lado do deputado Plauto Miró (DEM), assegurou aos presentes que o projeto não será votado no “afogadilho”, sem que se esgote todo o debate sobre a matéria. “Quero tranquilizá-los que o projeto não estará na pauta neste ano, nem será votado antes que se esgotem todas as discussões sobre o tema. Não há nenhum tipo de pressão, até porque não temos prazo para votar este projeto”, garantiu o chefe do Legislativo.

Os participantes pediram ao presidente que o documento seja encaminhado à CEMA, para se juntar ao processo que corre na comissão. Segundo Rasca Rodrigues, o parecer do grupo fortalece ainda mais sua posição contrária à redução da APA e que as contribuições serão reaproveitadas no parecer final da comissão.

“Com certeza este parecer será uma das bases para o nosso parecer, pois trás novas informações. Ficamos felizes com a abertura de um diálogo técnico, além do político, até porque no campo técnico nossa posição contra a redução da Escarpa ganha com imensa facilidade”, disse Rasca. 

“Ainda estamos aguardando o Governo do Estado tornar público o seu parecer conjunto, que segundo informações extraoficiais, derruba completamente o estudo da Fundação ABC que originou esta proposta”, completou Rasca, se referindo ao Grupo de Trabalho criado em julho deste ano para dar uma posição final sobre o projeto. O GT tinha o prazo de 31 de agosto para divulgar o parecer, mas até o momento não o fez.

Durante a reunião, alguns integrantes do comitê solicitaram o arquivamento do projeto. “Nós entendemos que o melhor é o arquivamento do projeto. Mas o diálogo está aberto e já tivemos o compromisso de que não será votado este ano”, ressaltou o secretário-executivo da Cáritas Brasileira, vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Amauri Antônio Mossmann.

O Parecer

O parecer é composto por seis capítulos que tratam sobre as inconsistências jurídicas do projeto e do estudo da Fundação ABC; da diversidade biológica, da fauna e da flora; da importância dos rios e nascentes que compõem a APA; do patrimônio geológico, geomorfológico, paleontológico e arqueológico; aspectos conceituais de uma área de proteção ambiental e da identidade cultural dos povos pertencentes à APA.

Em outro trecho, o comitê afirma que “a redução da APA da Escarpa Devoniana afetará a agricultura familiar, responsável por abastecer grande parte dos hortifrutigranjeiros da região, e o potencial econômico das atividades turísticas em crescimento”. Clique aqui para acessar o parecer técnico na íntegra! 

O documento é assinado por 10 especialistas – entre os quais, o ex-Procurador Geral do Estado e doutor em direito, Carlos Marés de Souza Filho; o doutor em geologia e professor da UFPR, Eduardo Salamuni e o doutor em história cultural, Edson Armando Silva – e conta com o apoio da Cáritas Brasileira (Regional Paraná); Federação dos Trabalhadores/as na Agricultura Familiar (Fetraf); Sindicato dos Engenheiros do Paraná (Senge); Sindicato dos Servidores Públicos da Agricultura, Meio Ambiente, Fundepar e Afins (Sindiseab); Terra de Direitos; Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS); Centro de Estudos, Defesa e Educação Ambiental (Cedea); Mater Natura; Instituto Mata Atlântica e Associação dos Protetores de Áreas Verdes de Curitiba e RM (Apave).

VEJA TAMBÉM

Deputado quer que instituições ofereçam colação de grau gratuita a todos os formandos
Projeto que amplia possibilidades de ascensão de praças da Polícia Militar segue para sanção
Rasca recebe homenagem do “Movimento Duplicação Já” pelo trabalho na conquista da duplicação da Leopoldo Jacomel
Comissões de Ecologia e de Finanças aprovam incentivos à geração de energia limpa
Desenvolvido por
Ubis Ideias Digitais logo
Ideias digitais