notícias

Deputados questionam veto do Governo à garantia de indenização para atingidos por barragens

Deputados questionam veto do Governo à garantia de indenização para atingidos por barragens

Quarta-Feira, 25 de Outubro de 2017

A garantia do pagamento de indenizações aos atingidos por barragens, prevista na Lei 19.129/2017, que autorizou a construção de 18 empreendimentos hidrelétricos no Paraná, foi vetada no final de setembro pelo Governo do Estado. Nesta quarta-feira (25), na Assembleia Legislativa do Paraná, o veto do governador Beto Richa foi apreciado pelos deputados estaduais, que poderiam mantê-lo ou derrubá-lo. Diante de um acalorado debate sobre o porquê da retirada desta garantia, a sessão foi interrompida por falta de quórum para votação, antes da apreciação da questão.

Os deputados Rasca Rodrigues (PV), Tadeu Veneri (PT) e Evandro Araújo (PSC) questionaram o veto ao artigo 3º da Lei, que foi aprovado pelos deputados no final do mês de agosto, que “condiciona, para antes da Licença de Operação, pelo órgão ambiental competente, a comprovação do efetivo pagamento da justa indenização das terras e das benfeitorias dos proprietários diretamente atingidos pelo empreendimento”.

Ao usar a tribuna, Rasca afirmou estranhar a atitude do Governo, que em anos anteriores, autorizou a construção de empreendimentos semelhantes com a garantia do pagamento justo aos agricultores e demais atingidos. “Já aprovamos aqui nesta casa diversas PCHs, foi assim em 2014 e 2015, e sempre com esta condicionante, que garantia o pagamento antes das usinas começarem a operar. Por que agora é diferente?”, questionou.

Para o deputado do PV, manter o veto, é o mesmo que dar um “cheque em branco” às poucas empresas para fazerem o que quiserem com os atingidos. “Estamos dando o nosso maior patrimônio energético à iniciativa privada e tirando a obrigação destes poucos donos de pegaram os milhares de atingidos conforme tem que ser. Este veto tem que ser derrubado, não é do interesse das pessoas, dos agricultores atingidos, não podemos permitir que usem este ativo estratégico e deixem um passivo social para trás”, disse Rasca.

Com o fim da sessão de hoje, o veto deve retornar na próxima segunda-feira (30). “A questão das indenizações tem que estar resolvidas e salvaguardadas na lei. Do contrário, assim como já aconteceu diversas vezes, os deputados terão que no futuro criar comissões especiais para resolver conflitos, que sempre acontece quando não se tem a garantia do justo pagamento aos atingidos”, completou Rasca.

Ao todo, a Lei 19.129, liberou a construção de 18 empreendimentos hidrelétricos em diferentes regiões do Paraná: oito Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs); oito Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs); uma Usina Hidrelétrica e uma Centra de Desenvolvimento de Tecnologias Ambientais (CDTA) de Biogás.

Sete delas são na região Oeste e Sudoeste do estado (atingidos os municípios de Mangueirinha, Marechal Cândido do Rondon, São Jorge D’Oeste, Itapejara do Oeste, Coronel Vivida, Assis Chateaubriand e Jesuítas); quatro na região Centro-Sul (Laranjeiras do Sul, Marquinhos, Turvo e Clevelândia); quatro na região Norte (Campo Mourão, Cruzeiro do Sul, Lobato e Rio Branco do Ivaí); duas na região dos Campos Gerais (Jaguariaíva, Carambeí e Tibagi) e uma na Região Metropolitana da Curitiba (Araucária).

VEJA TAMBÉM

Projeto que proíbe a retirada de penas de aves vivas é aprovado na ALEP
Estudo com diretrizes para o uso sustentável da APA da Escarpa Devoniana é apresentado na Assembleia
  Comitê reconhece o trabalho da Assembleia no arquivamento do projeto da APA da Escarpa Devoniana
Dia da Luta contra Discriminação Racial passa na Comissão de Direitos Humanos
Desenvolvido por
Ubis Ideias Digitais logo
Ideias digitais