notícias

Deputados derrubam veto e PR proíbe criação de animais para extração de peles

Deputados derrubam veto e PR proíbe criação de animais para extração de peles

Segunda-Feira, 29 de Fevereiro de 2016

Por unanimidade os deputados estaduais derrubaram nesta segunda-feira (29), na Assembleia Legislativa do Paraná, o veto do Governo do Estado ao projeto de Lei 217/2015, que proíbe a criação ou a manutenção de animais com a finalidade exclusiva de extração das suas peles em território paranaense. A proposta de autoria dos deputados Rasca Rodrigues (PV) e Felipe Francischini (SD) coloca o Paraná na vanguarda da proteção animal tornando-se no segundo estado do país a proibir tal prática (São Paulo proibiu em 2014).

Com a nova legislação – que deve ser promulgada e entrar em vigor nos próximos dias – animais domésticos, domesticados, nativos, exóticos e silvestres ficam protegidos. No Paraná, as espécies mais utilizadas pela indústria de peles são chinchilas e coelhos, e em menor escala esquilos e raposas. O estado é o segundo maior produtor de pele a partir do abate de chinchilas, cerca de 20% da produção nacional, perdendo apenas para o Rio Grande do Sul.

Os deputados justificam que a proibição é necessária para pôr fim às práticas de extrema crueldade constatadas na criação, no abate e na retirada das peles pela indústria de casacos. Eles alegam que durante a criação os animais são confinados em gaiolas em condições precárias; são abatidos por eletrocussão, degola e sem anestésicos, além das peles serem retiradas, em muitos casos, com os animais ainda vivos.

Segundo Rasca Rodrigues, que é coordenador da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, a nova Lei não prejudica economicamente a balança comercial do estado. “Nossa proposta é clara ao combater quem cria exclusivamente os animais para extrair suas peles. Ou seja, não há prejuízo econômico, apenas queremos fechar o cerco contra quem comete este tipo de atrocidade”, explicou o deputado do PV.

Durante a sessão, ativistas da causa animal usaram cartazes e faixas em protesto contra o veto e pediram o apoio dos deputados ao projeto. “Fizemos um grande movimento para convencer os parlamentares a derrubarem este veto, pois entendemos que houve um grande equívoco privilegiar a indústria da vaidade em detrimento da garantir dos direitos dos animais”, salientou a coordenadora do Fórum em Defesa dos Direitos dos Animais de Curitiba (FDDA), Tosca Zamboni.

“A decisão do governo de voltar atrás na decisão é importante, até porque a proposta não apresenta nenhum vício de constitucionalidade e temos a prerrogativa de legislar sobre o tema”, comemorou Francischini.

Multa

Os criadores que descumprirem as medidas da nova Lei ficarão sujeitos à multa de 50 UPFs (Unidade de Padrão Fiscal), cerca de R$ 4 mil, por animal. Em caso de reincidência, além da multa, o registro de criador poderá ser cassado.

VEJA TAMBÉM

Deputado quer que instituições ofereçam colação de grau gratuita a todos os formandos
Projeto que amplia possibilidades de ascensão de praças da Polícia Militar segue para sanção
Rasca recebe homenagem do “Movimento Duplicação Já” pelo trabalho na conquista da duplicação da Leopoldo Jacomel
Comissões de Ecologia e de Finanças aprovam incentivos à geração de energia limpa
Desenvolvido por
Ubis Ideias Digitais logo
Ideias digitais